Informações sobre hipertensão, causas, sintomas, prevenção e tratamento da hipertensão arterial, identificando os tipos de problemas provocados pela pressão alta, e as formas de controlar a pressão arterial, de modo a melhorar a qualidade de vida.


Conhecendo a hipertensão

A hipertensão é um problema de saúde em todo o mundo por causa de sua alta prevalência e da sua associação com o risco aumentado de doença cardiovascular. Avanços no diagnóstico e tratamento da hipertensão têm desempenhado um papel importante no declínio dramático recente da doença cardíaca coronariana e acidente vascular cerebral, diminuindo a mortalidade em países industrializados. No entanto, em muitos destes países, as taxas de controle para a pressão arterial elevada, na verdade diminuiram nos últimos anos. Determinados dados sugerem que indivíduos normalmente hipertensos aos 55 anos têm 90% de risco de vida para o desenvolvimento de hipertensão arterial. A relação entre a pressão arterial e o risco de eventos de doença cerebrovascular é contínua, consistente e independente de outros fatores de risco. Quanto maior for a pressão arterial, maior a chance de infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral e doença renal. Para indivíduos com idades entre os 40 e 70 anos, cada aumento de 20 mmHg na pressão arterial sistólica ou 10 mmHg na pressão arterial diastólica, duplica o risco de doença cardiovascular. Estes dados alarmantes apoiam a necessidade de dar maior ênfase na sensibilização do público para o problema da pressão arterial elevada e para uma abordagem agressiva no tratamento anti-hipertensão.
Ao longo das últimas três décadas, tem havido produção sem precedentes de informação científica, informação sob a forma de estudos e ensaios longitudinais e transversais.
Subconjuntos da população dos estudo foram analisadas e os dados foram combinados em meta-análise. O acesso abundante e rápido à informação tem sobrecarregado clínicos ocupados com relatórios e editoriais publicados e uma infinidade de programas de educação de pós-graduação. A fim de ajudar os médicos a digerir a informação abundante e  em rápido desenvolvimento, as diretrizes foram desenvolvidas por uma variedade de órgãos governamentais, profissionais e voluntários. As diretrizes clínicas apresentam uma combinação de custo-efetividade para sintetizar e filtrar conclusões do estudo que podem melhorar a eficácia do tratamento. Eles também têm a intenção de reduzir as variações nos padrões de tratamento e ajudar os grupos de normalização. Tem havido uma proliferação de normas publicadas, propostas por vários organismos científicos em todo o mundo. Isto acontece porque a base científica que deriva de ensaios clínicos é suficientemente ampla e diferentes conclusões foram tiradas a partir dos resultados. As diferenças entre as diretrizes publicadas muitas vezes refletem as escolhas e classificação dos diversos meios de prova utilizados no apoio aos benefícios da terapia, contra o custo para pacientes individuais e para a população em geral. Diferenças de orientação também podem refletir, tanto as atitudes culturais em relação a abordagens de cuidados médicos, como os limites de recursos disponíveis.

Índice dos artigos relativos a Hipertensão
POSTAGENS POPULARES

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL